sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Verbena officinalis L.

Nomes comuns: Verbena, Verbena-das-farmácias, Algebrado, Aljabão, Argebão, Erva-dos-leprosos, Erva-sagrada, Erva-de-ferro, Gerbão, Gerivão, Gervão, Gervião, Girbão, Giribão, Jarvão, Urgebão, Ulgebrão, Urgrabrão

Fotos de 16/10/2008:


Aqui uma imagem do geral:


Exemplar: Planta envasada, oferta do Miguel e chegada ao Jardim em 16/10/2008.

Indicações de cultivo: É uma herbácea vivaz e rústica que chega a formar um arbusto de 60 a 90 cm de altura. Floresce no Verão. Dá-se bem em vaso e é relativamente fácil de cultivar, podendo viver em qualquer solo com boa drenagem. Necessita de receber bastante luz solar directa. Depois de instalada, é uma planta que quase não necessita de manutenção, crescendo, inclusivé, em baldios e zonas densamente povoadas por espécies daninhas. A propagação faz-se por sementeira, no início da Primavera, por divisão, também na Primavera ou por estacas retiradas da base (rebentos com cerca de oito a dez centímetros) e incluindo um pouco da parte subterrânea dos caules, no Verão. 

Uso culinário: Usa-se em infusão mas, actualmente, os chás de Verbena são mais frequentemente feitos a partir de uma outra espécie - a Verbena odorata L. - mais aromática mas medicinalmente mais pobre. As flores da Verbena servem também para guarnição de pratos em ocasiões especiais ou só para dar um toque diferente. Também encontrei referência ao consumo das folhas cozidas mas não encontrei receitas que nos pudessem elucidar um pouco mais.

Uso medicinal: Ver ficha técnica.

Partes utilizadas: Folhas, flores e raíz. As folhas podem ser colhidas durante toda a estação de crescimento. A colheita e secagem das flores deve ser feita durante o Verão. 

Contra-indicações: Não deve ser utilizada por grávidas pois pode provocar contracções, ocasionando aborto ou parto prematuro.

Uso mágico-religioso: Desde tempos imemoriais que a Verbena é utilizada para práticas de magia. Está associada a Vénus e ao Elemento Água, sendo usada para amor, abundância e concórdia. Na antiga Roma era tida como sagrada e apreciada como um bom presságio. Era utilizada para decorar espaços sagrados ou festivos, como oferenda aos deuses e para tocar os textos dos pactos, de modo a validá-los. As coroas dos embaixadores eram entrançadas com verbenas floridas. Era igualmente utilizada na purificação de pessoas, casas e dos altares das divindades. Também os povos gregos, célticos e germânicos a utilizavam nos seus ritos e práticas mágico-religiosas. Actualmente ainda lhe são atribuídas propriedades protectoras e mantém-se a sua utilização na forma de incenso.

Sinónimos botânicos: Verbena halei Small, Moutabea longifolia Poepp. ex Endl.

2 comentários:

Jardineira aprendiz disse...

Um dia ainda vais ter que escrever um livro, o teu blog é um serviço público de informação!
Sabia que ela era medicinal, mas não lhe conhecia as outras utilizações.

Dama do Lago disse...

O livro... pois, ando a escrevê-lo mas a coisa demoooooooooooooora...